Home / Destaque / Após cortes na educação, governo Bolsonaro enfrenta hoje 1ª greve nacional

Após cortes na educação, governo Bolsonaro enfrenta hoje 1ª greve nacional

Os cortes anunciados para a área da educação são tema do primeiro grande protesto contra o governo Jair Bolsonaro (PSL), que acontece hoje nas principais cidades de 26 estados e no Distrito Federal. Professores, estudantes e trabalhadores da educação devem ir às ruas, desde a manhã desta quarta-feira, em defesa das universidades federais, da pesquisa científica e do investimento na educação básica.

As manifestações acontecem após o MEC (Ministério da Educação) anunciar um congelamento orçamentário que atinge recursos desde a educação infantil até a pós-graduação, com suspensão de bolsas de pesquisa oferecidas pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). Nas universidades federais, o bloqueio anunciado foi de 30% dos recursos destinados a gastos discricionários (como água, luz e serviços de manutenção).

Também hoje o ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi convocado para prestar esclarecimentos sobre os cortes na Câmara. Anteriormente, ele havia apenas sido convidado para falar em uma comissão. Agora, após a aprovação no plenário, ele é obrigado a comparecer.

Por envolver diversos segmentos da educação, a paralisação é encarada como uma greve, mas não deve se estender para outros dias. Ela também serve como um balão de ensaio para uma greve nacional dos trabalhadores, convocada por centrais sindicais para o dia 14 de junho.

Entidades como a UNE (União Nacional dos Estudantes), a ANPG (Associação Nacional dos Pós-Graduandos) e a Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) convocaram estudantes de todo o país a participar da mobilização de hoje.

Unidades sindicais que representam professores de escolas particulares também apoiam o movimento. Em São Paulo, colégios tradicionais como Oswald de Andrade, Santa Cruz, São Domingos, Equipe e Vera Cruz vão aderir à paralisação, segundo o Sinpro-SP (Sindicato dos Professores de São Paulo).

Reitores das universidades estaduais –USP (Universidade de São Paulo), Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e Unesp (Universidade Estadual Paulista)– divulgaram, ontem, uma carta criticando o corte dos recursos destinados às federais. O documento ainda convoca a comunidade acadêmica a “debater problemas da educação e ciência” nesta quarta.

Em Campinas, professores, funcionários e alunos da Unicamp farão panfletagem e uma passeata pela manhã, na região central da cidade. O ato foi marcado para este período porque professores e estudantes de Campinas também vão participar da manifestação em São Paulo, à tarde. O ato está marcado para as 14h, no Masp, na avenida Paulista.

Estudantes de instituições de diferentes perfis devem se somar às manifestações.

Fonte: UOL

Leia também

Passeio Giro Vechio reúne 100 ciclistas com bikes antigas percorrendo estradas e propriedades rurais em Louveira

Evento na Estação Ferroviária teve exposição, gastronomia e shows para marcar o centenário da primeira …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com