Home / Economia / DeputadoMiguel Haddad diz que mudanças na política não podem afetar a continuidade das reformas

DeputadoMiguel Haddad diz que mudanças na política não podem afetar a continuidade das reformas

Segundo o parlamentar, números da economia projetam retomada do desenvolvimento econômico

Em entrevista exclusiva para o Jornal A Verdade, o deputado federal Miguel Haddad (PSDB-SP) fala sobre as expectativas que cercam o desenvolvimento econômico nacional em meio às mudanças políticas. Para o parlamentar paulista, a economia brasileira está dando sinais que indicam que a crise está ficando para trás. “Quando se diz isso, as pessoas muitas vezes têm dúvidas, pois os sinais ainda são tímidos, mas quando se considera que estávamos há um ano à beira do abismo, as mudanças são impressionantes. Esses dias mesmo, por exemplo, recebi um dado animador: segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), em maio São Paulo gerou mais de 17 mil novos empregos.”

Em sua análise, Miguel deixa claro que a prioridade era fazer com que o desemprego parasse de crescer. “Aqui não se trata de números frios, mas da realidade, da vida das pessoas. Não há família brasileira que não tenha um membro desempregado. E aí? Como fica? As contas não param. As despesas podem ser reduzidas, mas há um limite. E não é só o desempregado que está enfrentando uma situação difícil. É todo mundo que vive do seu trabalho. Podem falar o que quiser, mas o País precisa de emprego para retomar o desenvolvimento econômico”.

Com 14 milhões de desempregados, não há outra prioridade senão o aumento do emprego

Como fazer isso? Frente a essa questão, Miguel Haddad tem uma posição definida. “O Brasil hoje tem duas crises. A crise política, que assume proporções enormes, com a perspectiva de destituição do presidente da República e a sucessão de escândalos que causam repulsa à população; e a crise econômica, que afetou a economia de forma como nunca se viu. É preciso ter claro que esse quadro que beira a catástrofe é resultado de uma administração irresponsável que quase quebrou o Brasil. Isso o brasileiro precisa saber para não se deixar enganar novamente. Quanto à crise política, ela terá de se resolver obedecendo a Constituição. O poder Judiciário tem de estar livre para processar os culpados. A Lava Jato e demais inquéritos têm de prosseguir fazendo o seu trabalho de saneamento. E a população tem de ficar de olho para que mudanças políticas não alterem a continuidade das reformas. Essa é a questão central”.

Indagado acerca do resultado real das reformas que têm sido aprovadas pelo Congresso, Miguel é firme. “Os resultados positivos das reformas não podem estar sujeitos ao que este ou aquele acha. Não é um caso de ‘achismo’. Temos de olhar os seus resultados objetivos, os índices que medem a produção econômica”, destaca. Segundo estimativa do IBGE, a colheita de grãos no Brasil pode bater um recorde histórico, com um aumento de 30,1% em 2017. Os portos registram um crescimento na movimentação de 2,32% neste ano.  Na primeira semana de julho, as exportações superaram as importações em R$ 1 bilhão de reais.

Apontando esses resultados, Miguel é enfático. “Nos últimos anos assistimos a quase ruína de uma construção feita ao longo de gerações, a industrialização brasileira. Todos os índices mostravam uma queda contínua na produção industrial. Falava-se em ‘desindustrialização nacional’, uma tristeza, pois, como disse, para que o Brasil se tornasse um País industrializado foi uma luta de décadas e décadas. Pois até isso está sendo revertido. Nesta primeira semana de julho, a produção industrial subiu em 10 regiões brasileiras. No comércio varejista, o crescimento em maio foi de 4,5% em comparação com 2016. Mas talvez o mais importante, porque permite antever que tudo isso pode continuar, é a redução da taxa de inflação, com a consequente redução dos juros, que caíram pela sexta vez consecutiva e estão projetados pelo Banco Central para 3,8% em 2017”, explica.

Miguel Haddad conclui sua entrevista declarando que a crise política deixa todos próximos do desânimo. “É preciso dar toda a força ao esclarecimento, aos inquéritos, à punição de quem quer que seja, não importa de qual partido. Fez, tem de pagar. Mas não podemos deixar que isso afete o rumo que o País está tomando. As reformas têm de continuar. Temos 14 milhões de brasileiros que não aguentam mais esperar por essas providências.”

Leia também

Festa Italiana de Jundiaí continua neste fim de semana

A Festa Italiana de Jundiaí (SP) continua neste fim de semana. Por conta da pandemia, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com