Home / Destaque / Excesso de velocidade é a principal causa de acidentes na Marginal do Rio Jundiaí

Excesso de velocidade é a principal causa de acidentes na Marginal do Rio Jundiaí

O trecho da Marginal do Rio Jundiaí em Várzea Paulista é utilizado diariamente por milhares de motoristas do município, e também de cidades vizinhas, como Campo Limpo Paulista e Jundiaí. Apesar da velocidade máxima da via ser de 60 km/h e diversos pontos da marginal possuírem radares, placas de sinalização e lombadas, muitos motoristas não respeitam a regra e acidentes acontecem com frequência no local. Curvas fechadas, como a localizada na altura do número 2.600, do lado direito da via, possui placas sinalizadoras de velocidade e uma lombada 300 metros antes, no intuito de que os motoristas reduzam a velocidade. Equipes da Unidade Gestora de Trânsito já vistoriaram o local, para confirmar que a área não possui óleo ou areia, fatores que muitos usam para justificar os deslizamentos.

Segundo o Gestor de Trânsito, Oséas Martins, o local está limpo, com o asfalto em perfeitas condições e com defensas de segurança. “Ao conduzir o veículo a 60 km/h, velocidade máxima da via, com os pneus em condições normais, não há indícios que provoquem o deslizamento no local”, afirma. Além das placas de sinalização e da lombada, Martins confirmou a informação de que a partir do próximo dia 11 de novembro, segunda-feira, o radar de controle de velocidade estará em funcionamento no intuito de prevenir o excesso de velocidade no local.

Curva sinuosa

Um radar e uma placa de pista sinuosa, na altura do número 1.425, antecedem outra curva fechada da Marginal Direita do Rio Jundiaí. Para evitar o detector de velocidade, muitos motoristas, principalmente motociclistas, cruzam o trecho pelo acostamento, pensando – erroneamente, estar evitando a captura do radar. “O trecho do acostamento também é frisado e detectado pelas câmeras de velocidade instaladas no local”, informa o gestor de Trânsito.

No trecho da curva o asfalto também segue em boas condições, com defensas de segurança e sem sinal de óleo ou qualquer outro produto que possa deixar a pista escorregadia.

Aquaplanagem

Umas das situações que deixam qualquer pista com altas chances de deslizamento é o fenômeno chamado ‘aquaplanagem’. Ele ocorre em veículos quando, ao passar sobre uma fina camada de líquido – normalmente água, mas também pode ocorrer com lama, os pneus perdem o contato com o asfalto.

Oséas Martins explica que em curva, a aquaplanagem é ainda mais perigosa. “Se os pneus perderem a aderência com o piso, o carro sairá da trajetória e seguirá em linha reta, mesmo com o motorista esterçando o volante”. Não importa o modelo, marca ou tipo de motor, e mesmo se os pneus forem novos.

Como evitar

Em caso de chuva, a primeira providência é reduzir a velocidade. Sobre piso molhado as distâncias de frenagem aumentam, o que eleva também o risco de acidentes. Segundo dados da Bridgestone, um carro a 80 km/h precisa de 27 metros para parar sobre piso seco. Se a pista estiver molhada, essa distância aumenta para 35 metros.

Os primeiros indícios de que o veículo entrou em aquaplanagem são: a direção leve e a elevação do giro do motor (indicando redução do atrito com o piso). Se isso acontecer, não freie.

Tire o pé do acelerador e deixe a velocidade cair sozinha. Ao mesmo tempo, mova levemente o volante para os dois lados para ajudar os pneus a retomarem o contato com o piso.

Leia também

Parque de diversões abre vagas de emprego exclusivas para moradores de Jundiaí

Parque de diversões abre vagas de emprego exclusivas para moradores de Jundiaí

Um parque de diversões localizado em Vinhedo (SP) abriu cerca de 70 vagas de emprego …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com