Home / Destaque / Falta de informação: Doar órgãos depende da autorização da família

Falta de informação: Doar órgãos depende da autorização da família

Dados do Ministério da Saúde apontam que mais de 40% da população brasileira não aceita doar órgãos de parentes falecidos com diagnóstico de morte cerebral

A questão da doação de órgãos é tão importante que na semana passada, nos Estados Unidos, foi realizada uma experiência com drones para que os órgãos sejam entregues mais rapidamente, uma vez que o fator tempo é essencial. No Brasil, até 1997 a lei federal estabelecia que todos os brasileiros eram, automaticamente, doadores de órgãos. Cabia, portanto, apenas à equipe médica o poder de definir se o paciente teria a possibilidade de doar seus órgãos depois de morto ou não. Em 2001 as regras mudaram, e a decisão passou para as mãos das famílias.

Em Jundiaí, existe uma comissão Intra Hospitalar de Transplante (CIHT) no Hospital São Vicente de Paulo que visa melhorar a organização do processo de captação de órgãos, bem comoidentificar melhor os potenciais doadores, promover entrevista familiar mais adequada e melhorar a articulação do hospital com a Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos (CNCDO) de São Paulo.

A enfermeira responsável pela CIHT, Thais Fernanda Rocha Santos, destaca que os brasileiros ainda têmdificuldade em aceitar a morte do familiar e por isso é preciso incentivar toda sociedade a falar mais sobre pacientes em morte encefálica (cerebral), o que resultaria num aumento da aceitação à doação. “Falar da temática frente a uma reunião familiar, faz com que deixe de ser um tema tabu e possibilita que seja conhecido o desejo de doação ou não de cada um”, destacou.

Como ser um doador

Existem dois tipos de doador.O primeiro é o doador vivo. Pode ser qualquer pessoa que concorde com a doação, desde que não prejudique a sua própria saúde. O doador vivo pode doar um dos rins, parte do fígado, parte da medula óssea ou parte do pulmão. Pela lei, parentes até o quarto grau e cônjuges podem ser doadores. Não parentes, só com autorização judicial.O segundo tipo é o doador falecido. São pacientes com morte encefálica, geralmente vítimas de catástrofes cerebrais, como traumatismo craniano ou AVC (derrame cerebral).

Leia também

Programação cultural de Jundiaí do feriado prolongado traz atrações gratuitas do programa Cidade das Crianças

A Unidade de Gestão de Cultura (UGC) preparou para o final de semana prolongado mais …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com