Home / Opinião / Novo normal: nostalgia ou alienação?
hildon-200807

Novo normal: nostalgia ou alienação?

Estamos submetidos ao “novo normal”. Desde jornais impressos a debates em canais de tv; desde noticiais por redes sociais às conversas cotidianas; e, claro, quando refletimos sobre o fato de que o país é um dos epicentros da pandemia. As inúmeras vidas perdidas e o crescimento nos índices de contágio nos dão a dimensão da catástrofe mundial. A pandemia escancarou ainda mais a fragilidade do nosso país que já há tempos vive a crise das instituições políticas e representatividades e está imerso numa estagnação econômica. Estamos diante de um quadro que reforça o quanto a desigualdade social no país é a regra em diversos setores. O acesso a serviços de qualidade em áreas como educação, transporte, segurança, saúde e cultura é fruto do privilégio de poucos em detrimento da maior parte da população. Diante desse quadro é possível encarar a realidade de várias formas.

Há quem se esconda numa nostalgia ingênua do passado recente em um mundo supostamente perfeito e anterior ao colapso. Há quem viva ou queira viver numa alienação tosca: os que creem que números são fraudados, os entusiastas de teorias da conspiração mundial ou cidadãos e cidadãs que se julgam imunes à doença encorpam as fileiras desta segunda postura.

Pressupor que voltaremos rápido ao cotidiano é também uma forma obtusa de se encarar a realidade. A expressão “novo normal” representa a cegueira que se propaga a cada dia, a cada vida que se esvai. Diante disso a sabedoria precisa se impor para que não haja mais esse reino de hipocrisia e desmemoria. Reflitamos.

Leia também

hildon2509

Eu, o coach do fracasso bem-sucedido

Semana passada um amigo meu dos tempos da escola me ligou e disse: – Cara, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com