Home / Destaque / Pessoa com Deficiência: empregabilidade é um dos desafios, mas o preconceito ainda é barreira

Pessoa com Deficiência: empregabilidade é um dos desafios, mas o preconceito ainda é barreira

Em 21 de setembro foi comemorado o ‘Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência’. A  data foi instituída em 14 de julho de 2005, pela Lei Nº 11.133. Na verdade, ela começou a ser lembrada em 1982, por iniciativa de movimentos sociais. Entretanto, uma das maiores lutas para que a pessoa com deficiências tenha a inclusão plena e a valorização como ser humano, é o cumprimento da lei Federal  nº 8.213, 24/07/1991, conhecida como ‘Lei de Cotas’, que prevê que as empresas com 100 (cem) ou mais empregados devem empregar de 2% a 5% de pessoas com deficiência e também da Lei Brasileira da Inclusão (LBI) 13146/2015, O Estatuto da Pessoa com Deficiência.

No entanto, segundo Maria Iracema Lopo, assistente social e especialista em empregabilidade da pessoa com deficiência da Assessoria de Políticas para Pessoa com Deficiência de Jundiaí, a maior dificuldade para que estas pessoas enfrentam é a falta de conhecimento das leis por parte das empresas que contratam. “Além disso, muitas destas empresas só contratam por determinação judicial do Ministério do Trabalho e outras, nem conhecem as leis”, enfatizou.

Mas, em sua avaliação, uma das grandes barreiras que dificulta o ingresso das pessoas com deficiência no mercado de trabalho é que a maioria das contratantes não promovem a acessibilidade para estes funcionários. “Elas não fazem adaptações arquitetônicas, como rampas, banheiros e equipamentos adaptados para eles. Inclusive tem empresas que empregam esta mão de obra, mas não aceitam cadeirantes, por exemplo, por não terem a logística necessária para estas pessoas”, ilustrou Maria Iracema.

Porém, em sua visão, a maior barreira ainda não é a física, mas as de natureza atitudinais, ou seja, o preconceito. “Muitas vezes quando o entrevistador se depara comum amputado, por exemplo, avalia que ele não dará conta do serviço. Pelo contrário, ela vai mostra sua eficiência da maneira dele e é a empresa que tem de garantir condições técnicas e físicas para que ele desempenhe sua função”, argumentou a assistente social, observando que a cada ano, as pessoas com deficiência têm buscado se qualificar para atender as necessidades do mercado de trabalho e hoje de acordo com a Lei Brasileira da Inclusão (LBI) 13146/2015, as empresas têm de receber as pessoas com deficiências mais severas e tem de flexibilizar as tarefas para que ele se adapte. “A lei existe, mas na prática, falta ainda a valorização destes profissionais com deficiências. Com isso, o que se espera é que a sociedade garanta á pessoa com deficiência a dignidade que elas merecem, pois, além do direito de poder trabalhar, também são capazes de atuação”.

Leia também

Com 116 mil doses aplicadas, vacinação em Jundiaí segue sem interrupção, com organização e planejamento

A vacinação contra a COVID-19 em Jundiaí teve início em 21 de janeiro. Desde então, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com