Home / Brasil / Prédios desabam no Rio de Janeiro

Prédios desabam no Rio de Janeiro

8h11 – ATUALIZAÇÃO | ITANHANGÁ: Equipes dos Bombeiros, Guarda Municipal e Políci Militar atuam no local. Defesa Civil, Light e Cedae foram acionados. #ZonaOeste pic.twitter.com/6Sx7v1sAHs

Dois prédios desabaram no início da manhã de hoje na comunidade da Muzema, no bairro Itanhangá, na zona oeste do Rio. Segundo o Corpo de Bombeiros, ao menos duas pessoas morreram e outras três ficaram feridas. Ainda não há informação sobre o estado de saúde dos feridos: Adilma Rodrigues, Claudio Rodrigues e uma criança, Clara, que foram levados para o hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, também na zona oeste.

Segundo a Prefeitura do Rio, os prédios que desabaram são construções irregulares que não foram autorizadas pelos órgãos fiscalizadores. As obras chegaram a ser interditadas em novembro de 2018.

Moradores da região buscam por desaparecidos no local. Segundo eles, vozes estariam sendo ouvidas vindo debaixo dos escombros. A Defesa Civil também atua no local e faz uma lista com os nomes dos moradores da região.

Equipes de buscas pediram que os moradores se afastassem do local. Eles isolaram a região, mas alguns moradores continuam próximo do local à procura de desaparecidos.

O desabamento provoca interdições na estrada de Jacarepaguá, na região da comunidade do Muzema. A zona oeste do Rio foi atingida pelas chuvas dos últimos dias. A avenida Engenheiro Souza Filho, uma das vias que dá acesso ao local, já estava interditada devido às chuvas desta semana e não havia sido liberada ainda devido ao acúmulo de lama, terra e água na região.

Uma equipe da Light, enviada para desligar a energia, está com dificuldade de chegar ao local da ocorrência devido ao acúmulo de lama. Segundo a empresa, os bombeiros pararam a seis quadras de distância do local devido à dificuldade nos acessos.

A testemunha Tadeu disse à rádio BandNews FM que veículos do Corpo de Bombeiros estão com dificuldades em chegar ao local.

Um morador do prédio disse que estava dentro de casa quando houve o desabamento e que havia mais pessoas no local. “Estava no quarto e corri para a sala. Quando cheguei à sala, desmoronou tudo em cima de mim. Fiquei em um bolsão de ar. Os meninos tiraram as paredes que estavam na frente e consegui sair. Foi muito rápido”, disse Edvaldo ao canal GloboNews. Ele teve escoriações leves nas pernas.

Os bombeiros foram alertados da ocorrência às 6h48. Os efetivos de três quartéis –Jacarepaguá, Barra da Tijuca e Alto da Boa Vista– foram deslocados para o local.

Testemunhas temem que novos deslizamentos venham a ocorrer e que os prédios vizinhos também caiam.

Witzel fala em “situação lamentável”
O governador Wilson Witzel (PSC) lamentou as mortes. “Situação lamentável, que acompanho com atenção”, escreveu em sua página no Twitter. O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), ainda não se pronunciou, mas está no local.

Em decorrência das últimas chuvas na capital fluminense, a Defesa Civil realizou até o momento 170 interdições de imóveis, sendo 42 somente ontem. Entre segunda e quinta-feira, o órgão recebeu 1.207 chamados por meio dos telefones 199 e 1746.

Entre os pedidos de atendimento, estão vistorias em área de deslizamento de encosta e barranco, desabamento de estrutura e ameaça de desabamento. “Em esquema de plantão, os agentes da Defesa Civil trabalham para atender todas as ocorrências.”

Os bairros mais atendidos são Copacabana, Itanhangá, Santa Cruz, Rocinha, Tijuca, Campo Grande, Leme, Jardim Botânico, Freguesia e Jacarepaguá.

Ao todo, 61 sirenes soaram em 37 das 103 comunidades de alto risco geológico monitoradas pelo sistema de alertas sonoros da cidade para chuvas fortes nos últimos dias.

(Fonte: Uol)

Leia também

Campo Limpo investe em 4 novos ônibus para transporte escolar

A Secretaria de Educação prevê que esses novos carros atenderão linha no lugar de empresa, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com