Home / Política / Recursos para obras e aquisição de novas máquinas é desautorizada pela Câmara de Várzea Paulista
Várzea câmara

Recursos para obras e aquisição de novas máquinas é desautorizada pela Câmara de Várzea Paulista

A Câmara Municipal de Várzea Paulista desautorizou na sessão da última terça-feira (6), após volta do recesso, o projeto de autoria do executivo, que tinha como objetivo celebrar o investimento de R$ 3 milhões em obras e aquisição de novos equipamentos. O valor seria aplicado em três importantes avanços para a cidade, compra de novos equipamentos para o setor de infraestrutura, entre eles a possibilidade da compra da nova máquina que realiza a conservação de vias com caraterísticas rurais, como os bairros São Guido, Mursa, Santa Marta e Gauchinha. De acordo com funcionários do setor de Infraestrutura, a única máquina hoje utilizada nas vias rurais, a “Patrol” está com 26 anos de uso, e já gera grandes custos com consertos. Outra parte, seria destinado a construção de um túnel embaixo da linha férrea (evitando enchentes na região do jardim do Lar e Primavera) e o restante seria investido em obras complementares no entorno do córrego Bertioga, tais como pavimentação da Av. Bertioga e outras demandas que não fazem parte do Convênio com o Governo Federal. As obras foram retomadas por uma nova empresa e estão em andamento: a ampliação da passagem de água sob a linha a Av. Fernão Dias Paes Leme já a partir do dia 20 de julho e em paralelo as obras do piscinão na cabeceira do córrego.

O projeto reprovado previa um empréstimo de um valor que representa 4,5% dos 70 milhões passíveis junto ao Governo Federal, de acordo com a avaliação do banco, após a conquista do equilíbrio fiscal, o financiamento com juros de 6% ao ano e carência de 24 meses.

O Gestor Municipal de Infraestrutura Urbana, Renato Germano, entende que houve alguma falha de entendimento dos reais objetivos desses investimentos, e que as opções da compra de novas máquinas e veículos permitiria o aumento da capacidade de trabalho em manutenções e zeladoria, além de evitar gastos com manutenções de veículos que já não oferecem boa relação custo benefício. Diz ainda: “pelo o que conheço dos vereadores que não votaram a favor, tudo leva a crer que houve algum equívoco, não me parece que votariam contra um investimento tão importante, não por algum ruído de comunicação ou falha de entendimento do projeto, acredito.”.

Josué Vieira Santana, Gestor de Obras e Urbanismo chama atenção para a importância da ampliação da passagem de água embaixo da linha férrea, e alerta que sem essa intervenção e após a ampliação sob a Av. Fernão dias, as enchentes na região do Jardim do Lar e Jardim Primavera serão inevitáveis. Complementou dizendo que o projeto executivo prevê aprovação de três túneis sob de estrada de ferro, mas a necessidade, em curto prazo, de construir somente um túnel. Sobre as obras complementares no entorno do córrego, diz que o projeto aprovado em execução através de Convênio com o Governo Federal não inclui diversas pequenas obras, mas que precisarão ser feitas para entregar a obra e vias do entorno de maneira completa. Prefeitura poderá alterar projeto e pedir nova autorização.

Vereadores lamentam

“Nós votamos a favor porque o valor seria utilizado para melhorar os serviços prestados pela Prefeitura e assim beneficiaria o povo varzino que nos elegeu. Não entendi o voto de alguns colegas, pois esse assunto já vinha sendo debatido há meses e todas as dúvidas nos foram tiradas pelo executivo. Eles reclamam que algumas ações como “tapa-buracos” é deficitária, mas quando a Prefeitura propõe a solução eles rejeitam. Fica difícil não entender que há interesses pessoais nisso e, infelizmente é a população que paga por isso.” Declarou o vereador Mauro Aparecido. “Lamento a não aprovação por parte de alguns colegas, pois essa seria uma grande oportunidade de desenvolvimento da cidade. A população será muito prejudicada e infelizmente nós teremos que responder por isso. Esse valor era irrelevante para o orçamento da cidade, mas fundamental para a população”. Completou o vereador Fernando Pasqualino.

Cidades vizinhas são exemplos

Em Jundiaí, a Câmara entendeu de forma diferente e autorizou, por unanimidade, empréstimos que ultrapassaram os R$ 200 milhões (um de R$ 173 milhões e outro de R$ 28 milhões) que serão utilizados integralmente em obras que beneficiarão a população de forma direta. Em Campo Limpo Paulista, a quantia de empréstimo aprovada pela Câmara foi de R$ 20 milhões.

Leia também

brasil-jair-bolsonaro

Bolsonaro acusa Receita Federal de ‘devassa’ contra familiares

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) reclamou na quarta-feira, 14, da Receita Federal e afirmou que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com