Home / Destaque / Relator da CPI torna Queiroga, Pazuello e Carlos Wizard investigados; veja os 14 nomes

Relator da CPI torna Queiroga, Pazuello e Carlos Wizard investigados; veja os 14 nomes

Renan Calheiros anunciou nova fase da apuração e disse ver indícios de crime de autoridades. Como investigados, eles podem ser alvos de medidas mais severas, como busca e apreensão.

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), anunciou na sexta-feira (18) uma lista de 14 pessoas que passarão à condição de investigados pela comissão de inquérito.

Constam na relação o ministro da Saúde Marcelo Queiroga, os ex-ministros da Saúde Eduardo Pazuello e das Relações Exteriores Ernesto Araújo e o ex-secretário de Comunicação Social da Presidência Fabio Wajngarten (veja lista abaixo).

A medida, na prática, indica que o relator vê indícios de crimes por parte desses investigados. A lista já foi encaminhada ao presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM). Cabe a Renan Calheiros como relator, ao final dos trabalhos, elaborar um parecer e encaminhar ao Ministério Público eventuais pedidos de indiciamento.

Passam a ser investigados:

Marcelo Queiroga, ministro da Saúde
Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde
Ernesto Araújo, ex-ministro de Relações Exteriores
Fabio Wajngarten, ex-secretário de Comunicação Social da Presidência
Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho do Ministério da Saúde
Nise Yamaguchi, médica defensora da cloroquina e suposta integrante do “gabinete paralelo”
Paolo Zanotto, virologista defensor da cloroquina e suposto integrante do “gabinete paralelo”
Carlos Wizard, empresário e conselheiro de Pazuello e suposto integrante do “gabinete paralelo”
Arthur Weintraub, ex-assessor especial da Presidência e suposto integrante do “gabinete paralelo”
Francieli Fantinato, coordenadora do Programa Nacional de Imunização
Marcellus Campêlo, ex-secretário de Saúde do Amazonas
Elcio Franco, ex-secretário executivo do Ministério da Saúde
Hélio Angotti Neto, secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde do Ministério da Saúde
Luciano Dias Azevedo, anestesista da Marinha apontado como autor de proposta para alterar a bula da cloroquina, substância sem efeito contra a Covid

“Por que isso? Porque acentua um momento importante da investigação. Segundo, em português claro, significa dizer que com relação a essas pessoas, contra os quais já acessamos provas e indícios, nós precisamos mudar o patamar da própria investigação, transformando-os em investigados. Isso é bom para a investigação e é bom, também, para a segurança jurídica do próprio investigado”, diz Renan.

“A partir da declaração dessa condição, ele passa a ter acesso a informações e acesso às provas e indícios que estão sendo juntados na investigação”, explicou.

Dos nomes que compõem a lista, Francieli, Weintraub, Wizard, Zanotto, Angotti Neto e Dias Azevedo ainda não prestaram depoimento à comissão. Cinco dos seis já tiveram pedidos de convocação aprovado – a exceção é o anestesista Luciano Dias Azevedo.

Além disso, Francieli, Wizard e Zanotto também tiveram os pedidos de quebras de sigilo aprovados.

Parte da lista já tinha sido antecipada nesta quinta (17) pelo blog do Valdo Cruz. Segundo o jornalista da GloboNews, apesar da falta de consenso na CPI, Calheiros decidiu incluir o atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, porque há indícios de que ele teria debatido drogas sabidamente ineficazes para a Covid em reunião com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

 

Críticas a Bolsonaro
Ao anunciar a lista, Renan Calheiros também citou a “absoluta irresponsabilidade” do presidente Jair Bolsonaro ao atacar as vacinas e defender o contágio como melhor forma de imunização – tese que já foi amplamente desmentida pela ciência.

“A CPI tem feito a sua parte, tem dado passos significativos no sentido da apuração e da consequente responsabilização dos fatos. Nós chegaremos, tristemente digo isso, neste fim de semana a mais de meio milhão de mortos no Brasil pela Covid. Diante da absoluta irresponsabilidade do chefe de governo que, ainda ontem, reiterou tudo o que havia dito com relação à defesa da imunidade de rebanho, da imunização natural. E usou ele próprio como exemplo desse crime e desse absurdo”, disse Calheiros.

“Já demonstramos que o governo sempre recusou as vacinas e sempre tentou e colocou em seu lugar o chamado tratamento precoce e a utilização da hidroxicloroquina, da ivermectina, do zinco e outros produtos com comprovada ineficácia”, continuou.

Fonte: G1
Foto: Reprodução/Internet/Globonews

About Jornal A Verdade

Leia também

Louveira

CAPACITAÇÃO – Estão abertas inscrições para curso gratuito de hidráulica em parceria da Prefeitura com o Senar

São oferecidas 15 vagas; podem participar moradores de Louveira maiores de 18 anos com o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com