Home / Destaque / Zoonoses explica os riscos das arboviroses no período de chuvas

Zoonoses explica os riscos das arboviroses no período de chuvas

A Unidade de Vigilância de Zoonoses (UVZ) alerta a população para o perigo da transmissão de dengue, chikungunya, zika e até febre amarela pelos mosquitos Aedes Aegypti, que se aproveitam do período de chuvas e de altas temperaturas. Com as férias e a mobilidade de parcela da população, a vulnerabilidade cresce se não houver o cuidado adequado com o quintal e casas para evitar o acúmulo de material que sirva de criadouro dos vetores.

O ano de 2017, de acordo com dados da UVZ, teve registro de quatro casos confirmados de dengue autóctones e cinco casos importados, quatro casos de chikungunya (dois autóctones e dois importados) e nenhum caso de zika.  Em relação ao ano de 2016, o período indica redução de 99,4%, quando foram registrados 353 casos de dengue.

Neste ano não há casos suspeitos ou confirmados até o momento. “No entanto, a estação verão é marcada pelo calor e chuvas, e, portanto, o cuidado deve ser redobrado entre a população para evitar o acúmulo de água que propiciem os criadouros dos mosquitos Aedes aegypti, responsáveis pela transmissão não somente da dengue, chikugunya e zika como também pela febre amarela urbana. Vale ressaltar que o mosquito não exige grande quantidade de água para colocar os ovos, que podem sobreviver meses mesmo em ambiente seco. O cuidado com o quintal é de extrema importância para o controle das doenças”, comenta o gerente da UVZ, Carlos Ozahata.

A UVZ intensifica as ações de prevenção desde o último trimestre do ano passado, com vistorias em Imóveis Especiais e Pontos Estratégicos, bem como realiza campanha em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde nos bairros identificados com índice de Breteau (densidade larvária) elevado. Além dessas atividades, as campanhas de educação são realizadas durante o ano todo.

Ozahata ainda explica que, com o período de férias e Carnaval, – eventos que estimulam o trânsito por diferentes localidades do país -, aumenta a possibilidade da vinda de pessoas doentes para a cidade. Estas, podem contaminar populações de mosquitos e iniciar a transmissão autóctone. O gerente lembra que as pessoas devem avaliar a situação epidemiológica dos destinos das viagens antes de optar por uma localidade. “O Ceará, por exemplo, registra muitos casos de chikungunya. Vale prestar atenção ao detalhe. É necessário que todos se atentem para o cuidado com a possibilidade de criadouros dos mosquitos, não deixando material que possa acumular água no quintal e também dentro das residências. Outra medida é o uso de repelentes e roupas que evitem o contato com os mosquitos. A prevenção é o melhor remédio contra as arboviroses”, lembra.

 

Leia também

Doria ataca Lula e Bolsonaro e diz que PSDB pode reconstruir o Brasil

Governador de São Paulo foi escolhido como candidato do partido à Presidência da República após …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com